Últimas do Mundo "L"

11.8.10

Mentirosa ou heroína?

Conta a história que Oprah Gail Winfrey nasceu em 29 de janeiro do 1954 em uma cidadezinha do Mississippi e teve uma infância bastante sofrida. Ao nascer, foi abandonada pela mãe e foi criada pela avó Hattie Mae Lee até os 6 anos. Oprah diz que era tão pobre que não tinha nem roupa para se vestir, razão pela qual tinha que confeccionar suas próprias roupas usando os sacos de batata.
Aos 9 anos foi violentada e aos 13 fugiu de casa. Um ano depois deu a luz a um menino que não sobreviveu e no mesmo ano sua mãe mandou-a para o Tennessee para viver com seu suposto pai. Ali conseguiu um trabalho na estação local de rádio. Aos 19 anos já era repórter de notícias locais.
 

Graças a seu envolvimento nas reportagens que realizava, Oprah foi transferida para Chicago onde teve um sucesso impressionante. Em poucos meses conseguiu ter seu próprio programa e com o dinheiro poupado logo conseguiu ter sua própria produtora.

Mas segundo afirma Kitty Kelley, a escritora que esta realizando uma biografia não autorizada chamada "Oprah", tudo é mentira, mentiras que a famosa Winfrey contou para aumentar a audiência de seu programa na televisão.

No mesmo livro a autora afirma que Oprah teve relações com várias mulheres e que praticou a prostituição quando era adolescente. O livro fala também da má relação entre ela e sua família, Oprah se nega a falar com sua própria mãe e recusa se fazer a análise DNA porque diz que não lhe interessa conhecer seu pai.

Além de seu programa na televisão e suas obras de caridade, Oprah também produziu o filme "Precious" uma história com uma forte consciência social. Poucos meses atrás Oprah decidiu romper com seu namorado após uma relação de 24 anos para ir viver com sua melhor amiga, a quem considera sua alma gêmea.

Mas Kitty Kelley afirma que a imagem que Oprah Winfrey mostrou até agora é totalmente falsa e que sua vida é baseada em mentiras que ao longo do tempo conseguiram transformá-la na mulher mais rica do mundo.


Fonte:Midg

Deixe seu comentário

Postar um comentário