Últimas do Mundo "L"

22.7.10

Está solitário? Alugue um amigo!



Sentindo-se solitário? Seus conhecidos estão sempre ocupados demais para você? Não tem problema, alugue um amigo. Não é piada. O serviço foi lançado recentemente no Reino Unido para que ninguém mais precise ficar sozinho. O site 'Rent a Friend', no entanto, é um velho conhecido dos americanos, onde o endereço eletrônico conta com mais de 218 mil cadastrados.

Para poder alugar um amigo, o usuário precisa pagar uma taxa de inscrição de 15 libras (R$ 41). Uma vez cadastrado, o internauta pode navegar pelo site e conhecer os candidatos a amigos para depois entrar em contato com eles e contratá-los. No perfil de cada um deles, há uma breve descrição de sua personalidade e a descrição física. Mas atenção, não se engane: o serviço é para alugar um amigo. Nada além disso.

"Você pode alugar um amigo para passear com você, ir ao cinema, ir ao restaurante, ou até a uma festa ou evento. Alguém que possa te ensinar alguma habilidade nova ou hobby ou te mostrar os arredores de uma cidade desconhecida”, afirmou um porta-voz da empresa ao blog Odd News. “O ‘Rent a Friend’ é um site para voltado a amizades. Ele não é um site de namoros ou uma agência de ‘acompanhantes’”.

No Japão as possibilidades são maiores, voçê pode alugar
amigos, parentes e até chefes para casamentos.

Além de ajudar a escolher um vestido ou reservar o melhor destino para a lua-de-mel, uma empresa japonesa está lucrando com um serviço inédito: oferecer “falsos amigos” para casamentos. Por R$ 405 um dos agentes da companhia comparece à cerimônia como seu convidado. E pode se passar por um parente, amigo, colega de trabalho ou até mesmo seu chefe.

Segundo a Office Agents, companhia com sede em Tóquio, noivos e noivas estão procurando seus serviços mesmo em meio à crise para completar a lista de convidados no dia mais importante de suas vidas. Para manter as aparências, tem gente gastando mais de R$ 12 mil para incluir somente “convidados falsos” em sua lista. Sem contar os gastos extras, que podem incluir um discurso para derreter os corações mais duros, em torno de R$ 204, ou uma música ou dança por mais R$ 102.

Entre os clientes que procuram a agência estão japoneses que perderam o emprego há pouco tempo, mas querem manter um ar de respeitabilidade e por isso recorrem a um “falso chefe” ou até mesmo “falso pai”, explica o diretor da Office Agents, Hiroshi Mizutani.

“O que fazemos é que vamos ao seu casamento como se fossemos seu amigo, no lugar do seu amigo”, diz Mizutani. A tendência vai na contramão dos casamentos "de retrato", em que só os noivos comparecem e do qual só levam um álbum de fotografia.

Mizutani admite que a recessão econômica está ajudando seu negócio, já que colocou à disposição um exército de trabalhadores sem ocupação ou apenas trabalhando meio período, deixando-os com tempo e disposição para se prestarem ao papel de “falsos convidados”.

Em um casamento recente, o noivo contratou 30 convidados, entre eles, membros da família, conta Mizutani. "Era o segundo casamento do noivo e ele não queria convidar as mesmas pessoas da primeira vez", explicou.

A companhia também oferece acompanhantes falsos para eventos que podem ir de funções corporativas até funerais e festas familiares. Amantes de última hora, secretárias de mentira e parentes distantes estão entre os papéis mais divertidos interpretados pelo exército de atores da agência.

Mas não é qualquer um que pode se habilitar para um emprego na agência. Além de se comportarem como atores profissionais, há uma cartilha básica a seguir, diz Mizutani. "Eles têm que ser animados e limpos e passar a impressão de que têm um emprego bem comum”.
E você o que gostaria de poder alugar?

2 Comentários

Luciana P. disse...

Nossa, a que ponto as coisas chegaram, hahaha, é meio estranho, mas as coisas estão caminhando pra esse lado mesmo, pessoas cada vez mais solitárias e ensimesmadas. É sinal dos tempos. Muito boa a matéria. Beijos!

John Perón disse...

Eu já aluguei vários.

http://diegoanatomiadeumbipolar.blogspot.com/

;/

Postar um comentário